Instantes Perdidos

Instantes que se perdem na vida rodopiante e alucinada... Instantes escritos em poesia na busca da perfeição.

quarta-feira, março 12, 2008

Alimenta o meu leito

A tensão imensa do meu ser,
Não sei como nascida
Sei apenas que a posso ver,
Uma vida quente florida
Talvez um dia seja colhida
Pelo espinho obsceno
Do teu amor...

Coloco nas tuas mãos
Os meus caminhos desfeitos,
Quero nas minhas mãos
Os teus sonhos,
Apenas os teus sonhos
Não os teus peitos...

Mas no fim

Nas minhas mãos repousa
apenas o leito da inocência,
Leito totalmente vazio
E de cor de prata...
Vem partilhar comigo
O jeito dos corpos,
Partilha o teu fruto
Esse fruto que mata
Saciando a ânsia fugida
Inundando o vazio do leito
Inundando de amor a vida...

Assina: Artur Rebelo.
Para a Ana Sofia que adoro.

3 Missivas:

  • Blogger Meia-Lua, escreveu…

    Olha olha quem por aqui anda... o senhor Arthe! ;D Grandes poemas que aqui tens.. o poeta és tu meu senhor, e não eu! *

    Meia-Lua aka Kestna

     
  • Blogger lena, escreveu…

    entrei, sentei-me e li-te

    continuas a ser o Poeta

    continuo a gostar de te ler


    foi um sentir de saudade de quem como eu, só sabe brincar com palavras


    um abraço amigo

    lena

     
  • Anonymous lucia, escreveu…

    ja tinha saudades de te ler, poeta

    continuas um verdadeiro pintor de palavras bonitas.

    Rose**

     

Enviar um comentário

<< Voltar